Medellín tem homenagem às vítimas do acidente de avião da Chapecoense

medelin homenagens jpeMilhares de pessoas compareceram nesta quarta-feira (30) ao estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia, para prestar homenagem às vítimas da queda do voo que transportava a delegação da Chapecoense e jornalistas, na noite da última segunda-feira.

O estádio seria o local da partida entre o Chapecoense e o Atlético Nacional, o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. No horário em que começaria o jogo, às 21h45 (horário de Brasília) o estádio já estava em sua capacidade máxima, com pessoas vestidas de branco e com uma vela acesa para se solidarizar com as vítimas, suas famílias e países de origem – Brasil, Venezuela e Paraguai.

Outras milhares de pessoas, segundo o canal Telemedellín, ficaram do lado de fora do estádio e acompanharam a cerimônia por telões. Durante um minuto de silêncio, os expectadores também acenderam seus celulares.

A Arena Condá, a casa do clube em Chapecó, também prestou homenagem às vítimas da tragédia nesta noite.

Mascote e crianças da cidade dão a volta no gramado na Arena Condá durante a cerimônia na noite de quarta-feira (30) (Foto: Diego Madruga/GloboEsporte.com)Mascote e crianças da cidade dão a volta no gramado na Arena Condá, em Chapecó, durante a cerimônia na noite de quarta-feira (30) (Foto: Diego Madruga/GloboEsporte.com)

O acidente com o jato Avro RJ-85 da empresa aérea boliviana LaMia deixou 71 mortos. Até o fim da tarde desta quarta, 45 corpos já tinham sido identificados. Seis pessoas sobreviveram e estão internadas em hospitais locais, algumas em estado crítico.

No Atanasio Girardot, o ministro de Relações Exteriores do Brasil, José Serra, fez um discurso emocionado, em que agradeceu a solidariedade do povo colombiano. “Muito obrigado Colômbia. Nesses momentos de grande tristeza imensa para as famílias, para todos nós, as expressões de solidariedade que aqui encontramos, aqui no Atanasio Girardot, nos oferecem um grau de consolo imenso. Uma luz no escuro quando todos estamos tentando compreender o incompreensível”, disse Serra.

Ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, fala durante cerimônia de homenagem às vítimas do acidente do avião da Chapecoense (Foto: Reprodução/ YouTube/ Telemedellín+)Ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, faz discurso emocionado durante cerimônia de homenagem às vítimas do acidente do avião da Chapecoense (Foto: Reprodução/ YouTube/ Telemedellín+)

“Não nos esqueceremos a forma como os colombianos sentiram como seu o terrível desastre que interrompeu o sonho desse time herói da Chapecoense. Uma espécie de conto de fadas com final de tragédia”, afirmou, acrescentando que o país também não esquecerá a postura do Atlético Nacional de pedir que o Chapecoense seja declarado campeão da copa Sul-Americana.

Juan Carlos de la Cuesta, presidente do Atlético Nacional, prestou sua solidariedade às famílias de todas as vítimas e pediu união no futebol. “Hoje é um momento para convidar à reflexão, a saber que o mais importante é a vida, a saber que a união, a convivência, a convivência no futebol… Se não temos clubes rivais não há futebol, se não temos torcidas rivais, não há festa no futebol. Convidamos para que esse seja o momento para que haja união e convivência no futebol, é o que queremos todos nós”, disse.

Fãs do Atlético Nacional fazem homenagem às vítimas da tragédia com o voo da Chapecoense, no estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia (Foto: AP Photo/Fernando Vergara)Fãs do Atlético Nacional fazem homenagem às vítimas da tragédia com o voo da Chapecoense, no estádio Atanasio Girardot, em Medellín, na Colômbia (Foto: AP Photo/Fernando Vergara)

Também falaram outras autoridades, como o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez; o diretor técnico do Atlético Nacional, Reinaldo Rueda; o prefeito de Medellín, Federico Gutiérrez; o governador de Antioquia, Luis Pérez Gutiérrez.

Ao final, crianças entraram ao campo com balões brancos e os soltaram enquanto os apresentadores liam os nomes das 71 vítimas. Da arquibancada, o público jogou flores no campo.

Acidente
Enquanto eram feitas as homenagens no estádio em Medellín, o secretário de Segurança Aérea da Colômbia, Freddy Bonilla, concedeu uma coletiva de imprensa em que afirmou que o avião Chapecoense estava sem nenhum combustível em seus tanques ao cair e anunciou a abertura de uma investigação.

Os prefeitos de Chapecó, Luciano Buligon, e de Medellín, Federico Gutiérrez, se abraçam durante cerimônia às vítimas da queda do avião do Chapecoense (Foto: Reprodução/ YouTube/ Telemedellín+)Os prefeitos de Chapecó, Luciano Buligon, e de Medellín, Federico Gutiérrez, se abraçam durante cerimônia às vítimas da queda do avião do Chapecoense (Foto: Reprodução/ YouTube/ Telemedellín+)

Uma das linhas de investigação para a queda, segundo Bonilla, é ter havido pane seca, quando a falta de combustível faz parar os sistemas elétricos da aeronave.

Uma gravação divulgada pela imprensa colombiana nesta quarta mostra conversa entre um dos pilotos do voo em que ele pede prioridade à controladora de tráfego aéreo justamente em razão da falta de combustível.

Equipes de resgate leva corpos embalados após retirá-los dentre os destroços do avião da LaMia perto de Medellín, na Colômbia (Foto: Raul Arboleda/AFP)Equipes de resgate leva corpos embalados após retirá-los dentre os destroços do avião da LaMia perto de Medellín, na Colômbia (Foto: Raul Arboleda/AFP)

O avião havia saído de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) e ia para o aeroporto José María Córdova, em Medellín. O avião havia sido fretado pela Chapecoense.
A tripulação do LaMia pediu prioridade para pouso às 0h48 (horário de Brasília). Mais tarde, declarou emergência.

Segundo Bonilla, o avião bateu em baixa velocidade contra a montanha, 250 km/h, o que permitiu ter havido sobreviventes –eles estavam em posições diferentes da cabine de passageiros, disse. Ele acrescentou que não recebeu, até o momento, denúncias de irregularidades contra a LaMía.

Com G1