Temer diz que PEC do teto é medida mais séria desde a Constituição de 88

temer protestos jpeO presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (19), em um almoço com empresários brasileiros e japoneses em Tóquio, que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto de gastos públicos é, na opinião dele, a medida mais séria e responsável no Brasil desde a Constituição de 1988.

“É um projeto que prevê um prazo de 20 anos, revisável apenas daqui a 10 anos, se as condições do Brasil seguirem no ritmo que começam a seguir precisamente agora. Ou seja, pautado pela ideia da segurança jurídica e da estabilidade institucional. Eu até ouso dizer que esta, penso eu, é a medida legislativa mais séria e responsável que se deu desde que o Brasil promulgou uma nova Constituição em 5 de outubro de 1988”, afirmou o presidente.

Temer, em viagem oficial ao Japão, teve uma série de compromissos nesta quarta. Antes do almoço com empresários, ele fez uma visita de cerca de meia-hora ao imperador japonês, Akihito. No final do dia, se reuniu com o primeiro-ministro, Shinzo Abe. A viagem é uma tentativa do governo brasileiro de atrair investimentos para o país.

No almoço, Temer apresentou as medidas que vêm sendo tomadas pela sua gestão para conter o rombo nas contas públicas e retomar o crescimento da economia. Temer referiu-se ao país como “um novo Brasil”.

“Estamos aqui para revelar a presença de um novo Brasil. Até utilizamos a expressão ‘recomeço’ para dizer que é o que exige a situação. O Brasil é um país grande, um grande mercado consumidor, mas também um grande centro de produção e de oportunidades”, afirmou o presidente.

O presidente também apresentou apresentou o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que prevês ao menos 34 concessões em portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, e no setor de óleo e gás.

“Temos consciência que o poder público não pode sozinho tudo fazer. Portanto, nós abrimos um campo muito vasto para a iniciativa privada, nacional e estrangeira. Permitirá muita tranquilidade para os investimentos estrangeiros no nosso país. O novo marco jurídico é estável e com regras claras”, afirmou.

Redação