Jornais do Brasil neste domingo 13 de agosto

13 de agosto de 2017

O Globo

Manchete : Roubo de cargas sobe junto com aumento de camelôs

Crime já eleva preços nos mercados
Estado tem zonas de exclusão onde não há entregas
Ambulantes vendem até carne e iogurte

Sem repressão, camelôs se tornaram os principais receptadores de mercadorias roubadas nas estradas do Rio. Carnes congeladas, cereais e iogurtes, a preços muito abaixo dos de mercado, lotam barraquinhas da cidade. A concorrência desleal afeta em cheio o bolso do consumidor, que já paga até 20% a mais pelos produtos nos mercados. A venda nas ruas alimenta o roubo de cargas, um dos crimes que mais preocupam hoje, revelam ELENILCE BOTTARI e RAFAEL GALDO. Com mais de 28 roubos de carga por dia, estado tem áreas de exclusão onde entregas já não são feitas. (Pág. 12)

Reforma política – Partidos nanicos ganham fôlego

Proposta em discussão na Câmara deve afrouxar a regra, criada pelo Senado, que limitava o número de partidos com acesso a tempo de TV nas eleições. Sem mudanças, dizem deputados, medida não será aprovada para 2018. (Pág. 3)

Compra e venda de milhas decolam

O segmento de compra e venda de milhas aéreas já movimenta mais de R$ 500 milhões por ano no Brasil. Sites oferecem aos clientes, em média, R$ 200 a cada dez mil milhas. (Págs. 35 e 36)

Trump contra Maduro – Latinos condenam ameaça militar (Pág. 40)

Mudanças de rota

Para fugir da crise, empresários apostam em novos rumos: loja de tecido vira pizzaria e fábrica de biscoito dá lugar a veleiro (Pág. 37)

Colunistas

LAURO JARDIM

Delação de Funaro atinge Temer e seu núcleo (Pág. 2)

MÍRIAM LEITÃO

Fundo bilionário confirma distorção da política (Pág. 36)

ANCELMO GOIS

Nas redes, reforma política supera a da Previdência (Pág. 16)

MERVAL PEREIRA

Usar emendas em fundo partidário é ruim (Pág. 4)

ARTUR XEXÉO

Sobram no Rio R$ 2,5 milhões (Segundo Caderno)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : 94% dos eleitores não se veem representados por políticos

Pesquisa inédita do Ipsos mostra rejeição generalizada à classe política; até a democracia é questionada

A pouco mais de um ano das eleições para a Presidência, os governos estaduais e o Congresso Nacional, os brasileiros manifestam rejeição generalizada à classe política, independentemente de partido, e ao atual sistema de governo. Segundo pesquisa do instituto Ipsos, 94% dos eleitores não se sentem representados pelos políticos em quem já votaram – a taxa mais baixa desde novembro do ano passado. A onda de negativismo atinge até a democracia: só metade da população considera que esse é o melhor regime para o Brasil e um terço afirma que não é. Quando os eleitores são questionados especificamente sobre a democracia que de fato é adotada no País, a taxa de apoio é ainda mais baixa: 38% consideram que é o melhor regime, 47% discordam. (Política A4 e A6)

Brasil muda regras a cada eleição desde os anos 90

País acumula uma mudança eleitoral a cada disputa desde a redemocratização. Entre 1993, quando acabou o prazo para a implementação das disposições transitórias da Constituição de 1988, e 2015, quando foi feita a última minirreforma política, as regras do jogo mudaram, em média, a cada 18 meses. Quase todas as alterações foram feitas em véspera de ano eleitoral, informam Alexandra Martins e Marianna Holanda. (Política A10 e A11)

Cenário anima estrangeiro a voltar a investir no Brasil

Investidores estrangeiros que abandonaram o País começam a regressar diante da melhora de indicadores econômicos e, sobretudo, do cenário internacional. No primeiro semestre, a presença deles quase dobrou nas operações de abertura de capital e emissões de ações na Bolsa de Valores. O cenário político, no entanto, ainda é motivo de preocupação. (Economia B1 e B3)

Burocracia emperra patentes

Empresas vão ao exterior fazer registro de invenções – no Brasil, ele leva dez anos; nos EUA, 3 (B10)

‘Mortos em confronto não foram assassinatos’

Entrevista – Nivaldo Restivo

COMANDANTE DA PM DE SÃO PAULO

Mais de 400 pessoas foram mortas pela PM de SP no ano, mas, segundo o comandante Nivaldo Restivo, bandidos morreram em só 15% das ações. Em entrevista a Marcelo Godoy, ele diz que quem pede o fim da corporação está mal informado e que é melhor receber o salário em dia que ter aumento. (Metrópole A18)

Eliane Cantanhêde

Joesley na mira

PF, Ministério Público do DF, CVM e até mulher de empresário ameaçam acordo da JBS. (Política A6)

Vera Magalhães

Lulécio 2018

Após briga para ver quem era mais sujo, PT e PSDB tentam abraço de afogados. (Política A8)

Celso Ming

Não tão aflitivo

O desemprego hoje não produz tantos problemas como produzia, digamos, há 20 anos. (Economia B2)

Notas&Informações

Reforma ultrajante – Os pontos da reforma política aprovados pela Câmara fazem parecer que objetivo da comissão é piorar ainda mais o sistema político, com alterações que são verdadeiras aberrações (A3)

Voracidade e desfaçatez – Parece imensurável a desfaçatez dos dirigentes sindicais para não perder a boquinha (A3).

Redação