Se Ricardo Coutinho renunciasse!

ricardo-coutinho-carta-capitalO governador Ricardo Coutinho (PSB) tem dito em todas as oportunidades que é indagado, que fica no governo. “Dia 8 tudo continuará como está”, sentenciou na última vez que foi perguntado a respeito da possibilidade de renunciar ao cargo.

Claro que até o dia 7 muito coisa ainda pode acontecer mas, a preço de hoje, a fala do chefe do executivo é de que permanecerá a frente do governo da Paraíba.

Se realmente for assim, não teremos surpresas políticas que já não se possam prever.

De outra forma, ou seja, Ricardo deixando o comando do Estado para candidatar-se nas eleições de outubro, aí sim, certamente teremos muitas surpresas. Muitas delas, inclusive, desagradáveis para o jardim girassol.

Pelos comentários e murmurinhos que tenho ouvido, deixando a caneta de governador, Ricardo sentirá o fio da navalha da traição. Porque, como me dizia o ex-deputado federal Edvaldo Motta, “governo a gente não deixa, trai.”

E é exatamente esse o quadro político paraibano de João Pessoa a Cajazeiras: ficando, Ricardo continuará no comando não só do Estado como da sucessão e do exército político construído ao longo desses últimos 8 anos; saindo, nem mais comandará o estado, a sucessão, e certamente verá incrivelmente reduzido o exército com o qual contava.

Não é premonição nem vidência: é realidade política!

Fernando Caldeira