Á espera da volta do futebol, Flamengo mantém paciência por Jorge Jesus

Treinos em andamento, protocolos estabelecidos e elenco em forma. O Flamengo peitou as autoridades e largou na frente nos preparativos para a volta do futebol. O cenário só não é ideal por um motivo: quem comandará o atual campeão carioca, brasileiro e da Libertadores quando a bola rolar? Junho chegou, e a prioridade da diretoria é óbvia: renovar o contrato de Jorge Jesus, que está a 20 dias do fim.

Sangue congelado e paciência como estratégia: Flamengo sai do “modo avião” e conduz negociação com Jesus

Sem definição do retorno do futebol mesmo em termos estaduais, é inimaginável que o Flamengo volte a atuar enquanto o contrato atual esteja em vigor – até o dia 20 de junho. Desta maneira, o clube trabalha para que o projeto bem-sucedido que teve início há exatamente um ano – o anúncio aconteceu dia 1º de junho de 2019 – tenha continuidade. E o clima nos bastidores é de paciência e otimismo – comportamento adotado desde a retomada da negociação.

Logo após a volta do Mister ao Brasil, há um mês, dia 1º de maio, o Flamengo intensificou as conversas pela renovação. Os cuidados no combate ao coronavírus sempre estiveram em pauta e nortearam as reuniões virtuais ou presenciais. Um ponto foi colocado na mesa de imediato: o desejo mútuo pela extensão de contrato.

Diante da nova realidade econômica do futebol, Jorge Jesus retornou de Portugal convicto de que não haveria projeto esportivo e até mesmo financeiro melhor do que o apresentado pelo Flamengo. Questões como variação cambial e bônus por conquistas, entretanto, são tratadas com todo cuidado para que o contrato seja bem amarrado por ambos os lados.

Já no primeiro vínculo, o Flamengo usou deste expediente para convencer o Mister, que ganhou, sozinho, mais de R$ 15 milhões pelos títulos do Campeonato Brasileiro e da Libertadores. O contrato que está em vigor conta ainda com gatilhos que indicam reajuste de acordo com a cotação do euro ao término do acordo, algo que o Mister faz questão de resolver antes da assinatura de um novo vínculo.

Faltando três semanas para o fim do contrato, tanto Flamengo quanto Jorge Jesus esbanjam otimismo de que a parceria será prolongada nos bastidores. Cada parte, por sua vez, é cuidadosa com os detalhes do novo acordo. As divergências são encaradas com naturalidade, mas tratadas minuciosamente para evitar conflitos.

Tal qual como na negociação pela compra de Gabigol, o Flamengo deixa o Mister à vontade e vê o tempo jogar a favor na espera pelo “sim” definitivo. Os ajustes são vistos como burocráticos e o “gelo no sangue” segue como lema.

Redação