Jesus admite que Flamengo não teve “nota artística” e detona postura do Botafogo

O Flamengo venceu por 1 a 0 com um gol no fim, mas a forma como o Botafogo entrou em campo foi o primeiro tema de Jorge Jesus, na coletiva de imprensa, após a vitória, no Nilton Santos. O treinador criticou o excesso de faltas e a violência do rival.

– Vitória importante, em um estádio que é difícil, ha dez anos o Flamengo não ganhava aqui. Um rival de história, com grandes jogadores no passado, como Garrincha e Amarildo. Hoje foi um jogo difícil. Foi mais difícil na primeira parte porque houve uma “caça ao homem” aos jogadores do Flamengo.

– A equipe do Flamengo é melhor do que a do Botafogo, até pela classificação. Para parar uma equipe você tem que ter argumentos técnicos e táticos. Não é essa forma de parar a equipe, não é dessa forma que o Botafogo vai sair da zona de rebaixamento. Fizeram “caça ao homem”, quiseram intimidar nossos jogadores. Não conseguiram. Sabíamos que faríamos o gol – criticou o português.

Jorge Jesus reconheceu que o Flamengo não teve uma grande atuação, mas destacou a importância da vitória na corrida pelo título brasileiro.

– Fizemos o gol com a entrada do Lincoln, algumas alterações táticas… Depois da expulsões tivemos mais gente do que a equipe do Botafogo. Mas os jogadores conseguiram superar as dificuldades. Não ganhamos com nota artística, mas ganhamos três pontos. Ganhamos de uma equipe que nunca quis ganhar, só quis fazer faltas e só sabe bater.

Violência do Botafogo

Nos primeiros 20 minutos, o nosso médico entrou quatro ou cinco vezes para atender o Bruno Henrique e o Gabigol. Os centrais do Botafogo queriam bater, descontrolar o Gabigol. Isso não é futebol. Quando acabou o jogo, eu disse ao jogador do Botafogo: “Não valeu a pena bater tanto”

Série invicta

Para ganhar títulos, é preciso ganhar os pontos, mas ainda não ganhamos nada. Vamos passo a passo. Não somos campeões de nada. Neste momento, somos campeões de vitórias, de vontade de ganhar, de uma equipe ligada e que não para. Isso tem transportado o Flamengo ao primeiro lugar na tabela.

Temor por lesões

Em face a violência que tivemos contra o Botafogo, um time que quis intimidar, nos dá um temor. Ainda mais que tivemos cinco já com fraturas. O árbitro não puniu os jogadores do Botafogo. Era impossível que acabassem com 11. Os jogadores não podiam temer e se intimidar. Claro que todos os jogadores estão na final da Libertadores. Foi fora do normal o que aconteceu, principalmente os centrais do Botafogo. Que sirva de exemplo, porque isso não é futebol.

Arrascaeta

Ele teve um problema no jogo contra o Corinthians, durante o jogo estava quente e não se queixou de nada. Depois, ficou fora de jogo, está praticamente fora contra o Bahia.

Ansiedade para o título

O tempo vai ficando mais curto e é normal que a ansiedade vá subindo. Estamos chegando perto do fim e queremos chegar na última jornada campeões. Isso mexe com a torcida, com os jogadores, com o treinador, mas temos experiência. Tentamos superar isso com nossa confiança e prazer de jogar. Tentamos fazer isso, mas não nos deixaram jogar. Mas não por organização tática, mas porque só quiseram bater.

Lincoln

Precisava de um jogador com as características dele, precisava de um centroavante. E foi isso que fizemos. É um jogador que vinha de lesão, há duas ou três semanas tem dado retornos positivos nos treinos. Lancei, ele fez o gol e deu a vitória ao Flamengo.

Filipe Luís no banco

Eu que decido quando o coloco para jogar e eu que decido quando ele não joga também.

G1