Atlético-PR empata na Colômbia e leva vantagem para a final em casa.

atletico paranaenseEm um jogo com o primeiro tempo tranquilo e o segundo cheio de emoção, Junior Barranquilla e Atlético-PR ficaram no 1 a 1, na noite desta quarta-feira, no primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. A partida teve um início forte do time de casa, mas que não resultava em chutes a gol, enquanto o Atlético-PR só conseguia se defender. O vestiário mudou tudo e, no segundo tempo, Pablo fez aos cinco minutos para calar o Metropolitano, que entrou em combustão um minuto depois, quando Yony González empatou. O restante das emoções ficaram guardadas para o pênalti perdido pelo zagueiro Rafael Pérez, que mandou no travessão e as duas defesas de Santos nos últimos minutos, que garantiram o empate e a decisão na Arena da Baixada. Outro empate, e o jogo vai para a prorrogação e, se persistir, a decisão do título vai para os pênaltis.

DOMÍNIO ROJIBLANCO

A partida começou em ritmo intenso no Estádio Metropolitano. No início, o Junior Barranquilla tentava pressionar, enquanto o Atlético-PR esfriava o jogo. Mesmo com mais posse de bola, o Furacão encontrou muitas dificuldades para encontrar espaços, esticou as bolas e não conseguiu sair da forte marcação dos colombianos. Os donos da casa dominaram o primeiro tempo, mas só foram chegar com perigo aos 29 minutos, depois que Díaz fez o giro na área e mandou por cima do gol de Santos. O Rubro-Negro até conseguiu controlar o jogo em alguns momentos, mas foi inofensivo ofensivamente.

LÁ E CÁJunior Barranquila Atlético-PR Raphael Veiga

Os times voltaram mais ligados no segundo tempo. Que o diga o Atlético-PR. Logo no início, Léo Pereira perdeu uma boa chance de cabeça. Aos sete, o Furacão encontrou o gol. Nikão puxou o contra-ataque e deu o passe para Pablo chutar de direita e abrir o placar no Metropolitano. Mas não deu tempo para comemorar. Logo em seguida, a zaga atleticana deu bobeira, Jonathan afastou mal a bola e Yony González aproveitou, deixando tudo igual. O Junior perdeu a chance de virar o placar aos 26 minutos, quando Rony cometeu pênalti em Gutiérrez. Para a sorte do Atlético-PR, o zagueiro Pérez chutou uma bomba no travessão, e o placar não mudou em Barranquilla.

NO FINALZINHO…

O Furacão quase marcou o segundo gol aos 38 minutos do segundo tempo. De pé em pé, a bola ficou com Nikão, que acionou Bruno Guimarães no lado esquerdo do ataque. O volantte recebeu, limpou a marcação, mas demorou para finalizar e tomou um corte da marcação, desperdiçando a última boa chance para o Furacão. Do outro lado, o Junior assustou com Piedrahita, Ruiz e Barrera, que exigiram defesas de Santos.

Junior Barranquila Atlético-PR PabloA MARCA DO ARTILHEIRO

Pablo encerrou um jejum de oito jogos sem gols no Furacão. O camisa 5 fez o gol que abriu o placar em Barranquilla, aos quatro minutos. Após lançamento de Nikão, o atacante dominou, invadiu a área e colocou nas redes do goleiro Viera, calando o Metropolitano de Barranquilla. Foi o 17º gol de Pablo, artilheiro isolado do time em 2018. O jogador saiu de campo aos 15 minutos do segundo tempo, com dores na panturrilha direita.

SANTOS SALVA

O goleiro brilhou nos minutos finais da partida em Barranquilla. Aos 46, o camisa 1 fechou o ângulo e impediu uma finalização perigosa de Ruiz. Em seguida, Santos teve que trabalhar mais uma vez. Barrera soltou um pancada de fora da área, com muita força e rasteira, e o goleiro salvou o Furacão.

FESTA E CASA CHEIA

Com casa cheia, a torcida do Junior Barranquilla fez uma bonita festa para apoiar a equipe no Estádio Metropolitano. Na entrada dos times, os torcedores usaram fumaça e sinalizadores para recepcionar o “Tiburones”. Foram 33.795 pagantes e 38.094 presentes na primeira final.

Redação