Dez técnicos estão disponíveis no mercado do futebol brasileiro

felipaoAtlético-MG entra no quarto dia sem treinador. Desde a demissão de Oswaldo de Oliveira, a diretoria trabalha para definir quem vai comandar o time no restante da temporada. A situação ficou mais dramática depois que o diretor de futebol do clube, Alexandre Gallo, revelou o “não” de Cuca, com quem vinha negociando desde sexta-feira, segundo ele.

Outro nome comentado é o de Abel Braga, que Gallo afirmou não ter procurado no sábado, como chegou a ser noticiado por alguns veículos de comunicação, e que dificilmente deixará o Fluminense. O presidente Sérgio Sette Câmara e o diretor de futebol Alexandre Gallo analisam alternativas e esperam uma definição neste começo de semana. O GloboEsporte.com levantou dez treinadores que estão disponíveis no mercado. Confira!

Luiz Felipe Scolari

O técnico pentacampeão do mundo com a Seleção Brasileira, em 2002, ficou marcado pelo 7 a 1 para a Alemanha, no Mineirão, na Copa de 2014. Depois desse episódio, Luiz Felipe Scolari treinou o Grêmio no futebol brasileiro, mas foi na China que realizou o trabalho mais consistente. Entre 2015 e 2017, Scolari comandou o Guangzhou Evergrande com a conquista de três títulos do Campeonato Chinês e um da Liga dos Campeões da Ásia, além de uma Copa e duas Supercopas da China. O atual diretor de futebol do Atlético-MG, Alexandre Gallo, integrou a equipe de apoio de Felipão na Copa de 2014.

Ricardo GomesRicardo Gomes ficou apenas três meses no Al Nassr, no ano passado (Foto: Twitter / @AlNassrFC)

O treinador, cujo início de carreira foi em 1996, no Paris Saint-Germain, dirigiu no Brasil clubes como Fluminense, Vasco, Botafogo e São Paulo. Na temporada passada, Ricardo Gomes teve uma rápida experiência no Al Nassr, da Arábia Saudita. Foram apenas três meses. Antes de assumir o Al Nassr, o técnico havia ficado quase sete meses sem trabalhar depois de ser demitido pelo São Paulo em novembro de 2016.

Cristóvão Borges

Lançado pelo Vasco em 2011, Cristóvão Borges passou por Bahia, Fluminense, Flamengo, Atlético-PR e Corinthians até retornar ao clube cruz-maltino em 2017. Nessa última passagem, foram apenas 14 jogos. Foi demitido demitido março, após a eliminação do Vasco na Copa do Brasil para o Vitória.

Jorginho

Em seu primeiro trabalho, no América-RJ, foi vice-campeão da Taça Guanabara de 2006. Ganhou destaque como auxiliar-técnico de Dunga na Seleção Brasileira. Após a Copa de 2010, voltou a dirigir clubes. Passou por Goiás, Figueirense, Kashima Antlers, Flamengo, Ponte Preta, Al Wasl e Vasco. Em 2017, comandou o Bahia. Foi demitido em julho.

Marcelo Oliveira

Técnico com grande identificação com o Atlético-MG. Foi jogador do clube na década 1970 e trabalhou nas categorias de base antes de ganhar uma chance no profissional. A carreira ganhou impulso no Coritiba. O ápice foi o bicampeonato brasileiro com o Cruzeiro, em 2013 e 2014. Pelo Palmeiras, foi campeão da Copa do Brasil. Em 2016, teve sua grande oportunidade no Atlético-MG. Mas a saída foi conturbada, durante a decisão da Copa do Brasil contra o Grêmio, após perder o jogo de ida por 3 a 1. No ano passado, comandou o Coritiba, mas não conseguiu evitar o rebaixamento do clube.

Luxemburgo teve bom início no Sport, mas acabou dispensado antes do fim do Brasileirão de 2017 (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)Vanderlei Luxemburgo

Já foi considerado o melhor treinador do futebol brasileiro. Mas há anos não emplaca um bom trabalho. Foi técnico do Atlético-MG em 2010, quando foi campeão mineiro. Entretanto, não resistiu à decepcionante campanha do time no Campeonato Brasileiro e perdeu o emprego. Depois disso, teve mais chances em times como Flamengo, Grêmio, Fluminense, Cruzeiro, sem conseguir uma sequência de trabalho. Em 2017, esteve frente do Sport, acumulando mais uma demissão nos últimos anos.

Luxemburgo teve bom início no Sport, mas acabou dispensado antes do fim do Brasileirão de 2017 (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press) Luxemburgo teve bom início no Sport, mas acabou dispensado antes do fim do Brasileirão de 2017 (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)

Ney Franco

Surgiu no Ipatinga, em 2004. Foi campeão mineiro no ano seguinte. Despertou interesse do Flamengo, onde conquistou a Copa do Brasil. Dirigiu Atlético-PR, Botafogo, Coritiba, São Paulo, Vitória e Flamengo. Na temporada passada, foi treinador do Sport. Depois de 17 dias, foi demitido.

Milton Mendes

Começou a carreira em Portugal. Dirigiu Al-Shahaniya, do Catar, Paraná, Ferroviária, Atlético-PR, Kashiwa Reysol, do Japão, e Santa Cruz, antes de comandar, em 2017, o Vasco. No time carioca, perdeu o emprego no começo do segundo semestre, após série de resultado negativos no Campeonato Brasileiro.

Falcão

Craque do Internacional e da Seleção Brasileira, Paulo Roberto Falcão iniciou a carreira de treinador na Seleção Brasileira, após a Copa do Mundo de 1990. Treinou também a seleção do Japão. Em clubes, trabalhou no América-MEX, Inter, Bahia e Sport. Em 2016, Falcão foi treinador do Internacional pela terceira vez. Acabou dispensado em agosto daquele ano, depois de apenas 27 dias, ou cinco jogos, com dois empates e três derrotas.

Celso Roth

É um dos treinadores com larga experiência no futebol brasileiro. Os primeiros trabalhos no Brasil foram em clubes do Rio Grande do Sul. Mas tem passagens por grandes times do Rio de Janeiro, São Paulo e de Minas. Foi técnico do Atlético-MG em duas oportunidades. Em 2003 e 2009. Foi demitido em ambas as vezes, a segunda pelo ex-presidente Alexandre Kalil. Roth não dirigiu clubes na temporada passada. O trabalho mais recente foi em 2016. Com o Internacional, foram 22 partidas, com seis vitórias, seis empates e 10 derrotas, e mais uma demissão.

GEsporte