A campanha na Itália para que pacientes terminais com coronavírus possam dizer adeus a familiares

Há pouca informação sobre o que realmente está acontecendo nos hospitais.

No entanto, uma entrevista recente com Francesca Cortellaro, médica do hospital San Carlo Borromeo, em Milão, retratou o pesadelo que vivem os pacientes infectados com covid-19.

“Você sabe o que é mais dramático? Observar os pacientes morrendo sozinhos, escutá-los pedir que se despeça de seus filhos e netos por eles”, disse ela ao jornal italiano “Il Giornale”.

A médica também disse que uma idosa lhe havia pedido que visse a neta por última vez antes de morrer. Então, Cortellaro pegou o telefone e ligou para ela em vídeo.

“Elas se despediram. Logo depois, ela se foi”, contou.Casos de coronavírus, curados e mortos — Foto: BBC

A triste história contada por essa médica — que deu a volta pelo mundo — motivou um grupo de militantes do partido democrático na zona 6 de Milão a liderar uma iniciativa para que os idosos isolados tenham pelo menos a possibilidade de se despedir de seus entes queridos.

Dessa forma, eles compraram cerca de 20 tablets que mais tarde foram distribuídos no Hospital San Carlo e que permitem a realização de videochamadas.

A iniciativa foi chamada “o direito de dizer adeus”.

Na Itália, autoridades tiveram que montar tendas fora dos hospitais devido ao colapso do sistema de saúde  — Foto: Getty Images/BBC‘Dói mais que a própria morte’

Um dos líderes do projeto é o vereador do partido democrático Lorenzo Musotto.

Por meio de sua conta no Facebook, o político italiano indicou que o objetivo é permitir que “os doentes cumprimentem seus entes queridos pela última vez”.

“A ideia de não ser capaz de dizer adeus me machuca mais do que a própria morte e existem outros locais com idosos, hospitais e asilos, onde não há mais a possibilidade de dizer adeus”, disse ele.

Musotto também pediu que mais tablets fossem doados para esses pacientes.

“Estou profundamente convencido da importância de máscaras, luvas, máquinas, mas o direito de dizer adeus não deve ser menos importante”, afirmou.

Redação