O espelho

Se amanhã as minhas pernas já não suportarem o peso do meu corpo faça meu filho do teu ombro a minha bengala e, ajude-me a locomover pois quando criança enverguei minha coluna para segurar as tuas mãos na ensaiada dos teus primeiros passos.

Se amanhã as minhas palavras forem incompreensíveis, não ria, oriente-me pois quando pequeno fui repetidor de tuas palavras e letras na iniciação do teu aprendizado.

Se amanhã as noites me fizerem dia consola-me e, não se irrite, procure uma maneira para conciliar meu sono, pois quando pequeno varei noites sem fim para que pudesses dormir.

Se amanhã meu choro for repetitivo conforta-me, isto faz parte de minha senilidade, sossegue e me perdoe, pois quando pequeno muitas das vezes balancei-te em meus braços e junto ao teu choro, chorei contigo.

Se amanhã já não puder segurar a minha bexiga ou errar nas necessidades básicas limpe-me e, não demostre qualquer reação de nojo, pois quando pequeno fiz da minha camisa o teu deposito de urina do meu tórax o teu trono para necessidades e fazia a tua higiene com todo amor.

Se amanhã ao me alimentares e, escorrer pelo canto da minha boca restos alimentares não sinta náuseas, pois quando pequeno, após tuas mamadeiras fiz do eu ombro o teu vomitório e, ria bastante com este ato.

Se amanhã a minha visão não for suficiente para interpretar as belezas da natureza

orienta-me, pois quando pequeno fiz dos meus olhos, os teus olhos e te ajudei a ver as belezas da natureza.

Se amanhã os meus ouvidos não alcançarem o som de uma pergunta, não grite, pois quando pequeno para proteger os teus ouvidos pisamos em veludo para que o barulho não te perturbasse.

Se amanhã a agitação for minha companheira ficas do meu lado, pois quando pequeno eu permanecia ao teu em busca do concilio do teu sono de amor.

Se manhã na desesperança do meu destino não houver chance de novos risos entenda e, me ajude, pois quando pequeno varei tempo para manter tua alegria e rimos juntos.

Se por acaso eu for ao solo perdoa-me; levanta-me com carinho; enxuga minhas lágrimas, pois quando eras pequeno fiz muitas ginasticas para evitar que algum mal viesse acontecer nas tuas quedas.

Se amanhã ao parti, as saudades serão tantas, que cada coisa que vivenciares do passado pedirá perdão a Deus, eu ao contrário, se voltasse repetiria com todo carinho o grande amor que te dediquei em toda tua educação.

Por Rafael Holanda