Serestas de Gargalhadas…

Hélio Soares, Promotor Público em Campina Grande, notabilizou-se pelo seu bom humor e insuperável criatividade. Sua fértil inteligência estava sempre disponível para o relato de situações hilariantes.

Tive o privilégio de sua convivência em Campina Grande, que lhe deve muito em termos de exaltação e preservação de sua Memória.  No seu arsenal de amizades incluía, em primeiro lugar, o Treze Futebol Clube, e, em segundo, as Rinhas dos seus Galos.

Tinha admiração pelas figuras folclóricas da cidade, dentre elas, merecia especial atenção o apaixonado dos políticos campinenses, Chico Anselmo, que a todos encantava com suas estridentes palmas e gritos de apoio!

Hélio Soares foi o criador das Serestas de Chico Anselmo, conduzido por ele às casas de amigos comuns, alta madrugada, e os escolhidos se acordavam com o alarido das suas palmas em originais serenatas, quase sempre intercaladas com suas ruidosas e prolongadas gargalhadas.

Participei de várias delas ao som das palmas e das rizadas de Chico Anselmo, quando em Campina, altas horas da madrugada, elas aconteciam sob a regência do grande amigo, Hélio Soares, apaixonado pela História, pelos Tipos Folclóricos, e tudo mais que dissesse respeito à Rainha da Borborema, cidade a que dedicou sua Inteligência privilegiada, seu humor contagiante e seu genial talento crítico.

Perguntando ao deputado Assis Camelo se conhecera Chico Anselmo, quando de sua estada em Campina Grande, antes de se atambauzar, como diria Hélio Soares, ele testemunhou uma cena envolvendo Ernani Sátiro e aquele original seresteiro: num comício em Campina Grande, quando anunciaram o discurso do Amigo Velho, Chico Anselmo antecipou-se e explodiu em palmas. O Governador estranhando aquela intervenção fora de hora, gritou: guarde suas palmas, amigo velho, para quando eu terminar o Discurso!

Hélio Soares, Chico Anselmo, Assis Camelo, e Ernani Sátiro, são naturalmente pessoas diferentes. Todavia, ninguém os supera em autenticidade!

Por: Evaldo Gonçalves